Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

How Everything Changed?

How Everything Changed?

09
Ago16

O que quero ser quando for grande?

Na minha vida nunca foi muito decidida, muito livre, sempre foi muita protegida e pode se dizer mimada. Mas não é por nada disto que não sou responsável, aceito a opinião dos outros, respeito os outros... Tantas vezes criam ilusões que por uma pessoa ser algo há extensões de coisas que obrigatoriamente faz. Na vida está regra não existe não há temos que cumprir, por que nós não nascemos com regras de feitio. Apesar de claro  que temos que ter as nossas regras base, que todos devemos cumprir para o bem de todos. Mas há regras que só nós próprios temos o puder de as descobrir, de um dia as podermos registar da forma da nossa paixão:escrevendo, cantando, dançado, fazendo algo, pintado... Há uma arte para cada um de nós. Há um cliché, que diz: " Temos que descobrir a nossas paixão". Eu prefiro pensar numa frase que se adequou a mim, para mim há frases na qual minhas que fazem mais sentido. Para mim faz mais sentido: Vive a vida o melhor possível, que assim vamos descobrindo todo o que precisarmos para a enfrentarmos. Não sou diferente de ninguém, devo ter os mesmos objetivos do que alguém e deveres. Mas há algo naquilo que faço que se identifica comigo, nem que seja num desenho um pouco de cola ( desastrada assumida, ), mas é meu uma palavra ou mesmo um momento em que eu identifique muita coisa. Há momentos que tantas vezes significam tanta coisa na qual é impossível explicar, reprime os nossos sentimentos de uma forma que não sentimos nada apenas o momento. Caracterizo um momento exatamente igual como quando estamos a nadar. A água azul mas que na verdade é transparente, navega sobre nós. Envolve-nós de uma forma tão natural como se fosse o abraço de alguém, que em cada onda, nos fortalece rema o nosso nado. É apenas possível nadar sem fim, só temos a preocupação de não nós afogarmos. De todo o resto é esquecido, como alguém que passa por nós que por um segundo todo é esquecido. Momentos para exploramos, para interpretarmos a nossa maneira, não falta completamente. Temos é que descobrir todos os que nós fazem felizes, se calhar uma das razões de alguém o ter criado foi está, transmitir isto. Emoções que nem nós próprios conseguimos descrever, tantas umas com aspetos físicos sorrisos, ansiedade, caretas todo isto é caracterizador. Momentos tristes e felizes e momentos neutros que somos nós que decidimos o rumo deles. Como tantas coisas na nossa vida na qual decidimos também, mas nem nós apercebermos. Temos que prestar atenção a cada segundo da vida, pôr mais que seja um cliché tanta coisa pode mudar, novas vidas encerramentos de algo, paixões mudadas, tragédias. Quando for grande o que quero ser? Não sei mas quero transmitir o que sinto as outras pessoas, ajuda-las sem pedir nada em troca, viajar, conhecer coisas novas na vida que são para todos nós descobrirmos. Não quero ficar presa a algo! Quero seguir o meu caminho como está traçado e como o quero também traçar. Quero ajudar crianças a traçar os seus caminhos e escolher sempre o bem na vida, que todos nós temos nascemos com ele pode se ir ser eliminado mas totalmente não ninguém  têm que haver sempre bondade num coração que é onde há somente isto. Há sempre oprotunudidas ilimitadas, há alguém lá em cima que cá manda, mas que tem sempre um perdão para nós dar. Temos que apenas ter alguém que nós guie, no caminho certo. Se pudesse fazer isto apenas há uma pessoas, ficava super contente. Há sensação melhor do que ver uma pessoa no caminho certo? Eu considero que faço o máximo para navegar pelo marés do bem. Calma e firmemente, sem que o mar negro do mal não me atormente.

Beijinhos da Only one Girl

35 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D