Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

How Everything Changed?

How Everything Changed?

02
Dez17

"Onde estão os braços do meu amo" Capítulo 1

 Veneza, 1802

Era uma jovem princesa que iria atingir a sua maturidade em menos de 1 ano, antes disso teria de escolher um príncipe para partilhar toda a minha vida, um príncipe que não amasse, mas isso não era algo que importava-me, nunca conheci nenhum rapaz e namora-o não merecia este tipo de amor sabia-lo. Tinha o meu diário, a minha escrita, a minha paz e o meu papel isso bastava-me…

“ Amor? Tu existes?

Será que as minhas veias podem ele percorrer?

As minhas palavras, eu, somos tristes…

Tu não me queres conhecer

Tudo bem se o decidiste

A canção mais linda para todos

A mais triste foi para mim

Versos preenchidos por sussurros lindos

Que nunca contarei”

Os rios de Veneza abstrai-me por isso é rotineiro cumprimentar o navegador e o senhor a que compro o bilhete e navegar por aqueles rios, os mesmos senhores, todos os dias. Naquele dia novamente tinha partido para o barco cumprimentando o senhor a quem compro o bilhete, ele fazia-me uma vénia. E um belo rapaz de cabelo castanho e olhos verdes conduzia-o pelo normal senhor de meia-idade que me fazia uma vénia, mesmo com a nossa normal discussão que não era necessário. Cumprimentei este rapaz, ele fez silêncio, percebia-o, havia melhores pessoas para ter a navegar, mesmo com o senhor que compro os bilhetes a dizer:

-Filho, é a princesa, faz-lhe uma vénia.- percebi que ali o filho era apenas um símbolo, não caracterizava-se pela verdade racional

-Não quero muito saber se ela é princesa ou não…- disse o rapaz com um sotaque meio português meio italiano.

Peguei no meu livro e li- sobre aquele lindo dia de sol, durante algum tempo já tinha avançado pelo menos 20 páginas, “Orgulho e Preconceito” era o que lia. Silêncio percorria, percebi que de belo só o exterior, a sua essência era realmente muito negra. Durante esta viagem uma rajada de vento passou por nós e o meu livro foi parar a água eu tentei-me chegar a água para o ir buscar mas não consegui virando o barco.

A água gélida de Veneza envolveu todo o meu grande fato, deixando o rapaz também encharcado, ouvindo-o a sussurrar dizer:

-Princesas…

Comecei a tremer muito e a chorar baixinho, não sabia nadar estava muito frio, ele chegou perto de mim e delicadamente pegou na minha cintura, olhando para os meus olhos castanhos. Os seus olhos eram mesmo verde, fiquei penetrada com a sua visão, enquanto ele pôs me na borda do rio sentada e o meu livro a meu lado. Ele prendeu o barco virando para cima e sentou-se a meu lado. Despindo o seu casaco e pondo-o a seu lado, reparava nos seus movimentos por baixo do meu olhar delicadamente. Ele era musculado, surpreendentemente, ele pôs o seu braço a minha volta e chegando-se para mim, dizendo-me:

-É para não te constipares, se sabem que pôs te doente, ainda matam-me…

Eu sei que era possível mas nunca deixaria isto acontecer, dizendo-lhe:

-Nunca deixaria que isso acontecesse, sussurrando para o seu peito.

Passando alguns segundos o errado que estava a fazer e sal dentro dos seus braços, dizendo-lhe:

-Peço imensa desculpas, perdoa-me…- disse eu rapidamente e saindo dali a correr pegando no meu livro.

Corria livremente por aquelas ruas de Veneza que tão bem conhecia, eu não podia, simplesmente entregar-me a um rapaz qualquer só pela aparência. Entrei no castelo rapidamente sem ver nada e fechei-me no meu quarto. O meu quarto era grande e largo, tinha uma cama no centro e uma zona de vestir por trás da cama, a sua volta tinha alguns dos meus refúgios. Um suporte com a minha tela que pintava, tinha um grande piano e um grande espaço onde dançara com as minhas sapatilhas e fitas que enrolará. Era tudo muito rústico em madeira e com alguns tons beje e vermelhos. Algo que não gostava muito

 Só queria simplesmente tocar piano ou dançar livremente. Fechei os meus olhos e percorri todo o meu largo quarto com saltos harmoniosos, a minha “criada”, Clara. Sempre dissera-me que eu precisava de algum príncipe que agarre-me na cintura delicada e pensara que podia ser… Enquanto as gostas de suor percorriam-me lembrava-me apenas dele, dele aqueles braços a agarrarem-me na cintura.

Resultado de imagem para casais em veneza

Este é o primeiro capítulo da história nova aqui no blog.

Espero que gostem e não se esqueçam de me dizer o que acham que vai acontecer.

E Claro se gostaram :)

Beijinhos da Only one Girl

 

10 comentários

Comentar post

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D